Quinta-feira, 02 de Julho de 2020
Meio Ambiente

Distrito Federal não faz a reciclagem de vidro como deveria

Publicada em 05/06/17 às 07:32h - 235 visualizações

por PORTAL CAPITAL VERDE


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Breno Esaki)
Completamente reaproveitável, o vidro no Distrito Federal é considerado rejeito. Não há empresas na capital que reciclem as peças. As cooperativas e o governo dizem ser um serviço inviável. No Dia Mundial do Meio Ambiente, o Jornal de Brasília mostra que garrafas, potes e cacos são dispensados e acabam aterrados junto com outros materiais. Somente uma associação tenta manter os objetos fora da natureza, apesar do prejuízo, e não se sabe por quanto tempo conseguirá exportar os resíduos para outros estados. Enquanto isso, iniciativas tentam reduzir o desperdício.

O vidro precisa de quatro mil anos para se decompor e são necessários milhares de quilos de areia para ser produzido. Em contrapartida, é um material 100% reciclável e gasta menos energia e água no processo, além de emitir uma quantidade reduzida de poluentes. Em um mundo ideal, todo o conteúdo seria reaproveitado.

Saiba Mais:

Para a reciclagem, rótulos e tampas devem ser removidos e garrafas precisam ser lavadas.
Cacos devem ser embrulhados com jornal ou plástico bolha. Na indústria, o vidro é refundido,
moído e colocado em um forno. Segundo a Abividro, o mercado ativa R$ 12 bilhões no Brasil,
mas desperdiça-se R$ 8 bilhões pela ausência do sistema em regiões como o DF.

A orientação é que o vidro seja descartado junto com os rejeitos de lixo. O material vai para os aterros sanitários de Samambaia e do Jóquei, na Estrutural. Aqui, a cooperativa Recicle a Vida, em Ceilândia, recebe parte do descarte e envia vidros para São Paulo ou para o Rio de Janeiro, onde há empresas que os reciclam. Para o presidente da cooperativa, Cleusimar Andrade, o descarte de vidro no DF é um problema, mas a reciclagem ainda é inviável.

De acordo com Andrade, a tonelada de vidro vale R$ 140, mas o transporte custa R$ 160. "Nenhuma cooperativa quer trabalhar com vidro porque todo mundo sai no prejuízo. Não é viável. Como o vidro vem da areia, as empresas acham mais caro comprar vidro para reutilizá-lo. Hoje, existe uma única empresa que até se propõe a comprar o material, mas o preço pago não cobre nem os custos básicos", afirma.

A Recicle a Vida é a única na capital que faz o trabalho de envio para reciclagem. Segundo o presidente, a destinação é feita por "consciência ambiental", mas o serviço pode ser suspenso pela inviabilidade. O vidro representa cerca de 10% de todo o rejeito que a cooperativa recebe. "O vidro é o único material 100% reciclável. Se fosse viável, certamente seria o mais reciclado", opina.

"É inviável", diz SLU

"O problema com a reciclagem do vidro não é exclusivo do DF. No Brasil, poucas cidades conseguem fazer o serviço porque o número de fábricas que aproveitam o vidro é pequeno. É uma matéria-prima com valor baixo, o que torna inviável economicamente", explica Kátia Campos, presidente do Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

De acordo com a gestora, recolher o vidro pela coleta seletiva provoca gasto duplo: "O custo da coleta seletiva é por peso e o vidro pesa muito e vira rejeito. No fim das contas, temos que pagar por essa coleta e, depois, ainda arcar com a entrega nos aterros". Além disso, são registrados cem acidentes por ano na coleta de lixo.

Pela Lei dos Grandes Geradores de Resíduos Sólidos, aprovada pela Câmara Legislativa em fevereiro do ano passado, o reaproveitamento e a reciclagem do vidro não são de responsabilidade do poder público. De acordo com o SLU, a viabilização do aproveitamento é responsabilidade da indústria de vidro. "Os fabricantes são responsáveis pelo retorno do vidro para a indústria. O poder público, ao fazer esse trabalho, comete improbidade administrativa se não for paga pelo serviço", argumenta Kátia Campos.

O governo aprovou, no ano passado, um decreto que reduz o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) de 12% para 1% para a indústrias da reciclagem. Isso para facilitar, ampliar e atrair o mercado para a capital.

Projeto de lei proíbe venda de garrafas

A venda de bebidas pode ser restrita a embalagens retornáveis no DF, de forma a minimizar o impacto ambiental. A proposta de Projeto de Lei (PL 1.541/2017) foi apresentada pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes-DF) ao deputado Chico Vigilante. Apoiada pelo SLU, a ação estimula a substituição das garrafas de vidro por embalagens de alumínio ou plástico. De acordo com a autarquia, a medida aumentaria a vida útil do Aterro Sanitário de Brasília.

Na semana passada, o Bar Pinella, na 408 Norte, deixou de vender garrafas long neck de quatro marcas. Segundo a proprietária, Flávia Attuch, a decisão foi tomada porque as distribuidoras não fazem a coleta reversa dos materiais. Ali, todas as noites saem mais de 650 kg de garrafas vazias.

"Há anos tentamos convencer as empresas a recolher as garrafas. Já fizemos parcerias com cooperativas, mas não é suficiente", diz. Para ela, o posicionamento é mais importante que a possível perda de clientes. "O poder público precisa criar um posto de reciclagem", pede.

Ponto de vista

"É fundamental que as indústrias venham para o DF para conseguirmos reciclar e minimizar os custos com transporte. Para isso, é preciso pensar nos incentivos do governo", considera Valéria Gentil Almeida, doutora e mestra em Desenvolvimento Sustentável e professora da UnB. De acordo com a especialista, hoje realmente é inviável economicamente reciclar o vidro. "É custoso. A cadeia produtiva do vidro é muito particular. Por mais que se diga que consegue agregar valor, a catação é complicada e envolve riscos, inclusive de saúde", opina.

Por Jéssica Antunes - Jbr




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (61) 99687 1652

Visitas: 1890260
Usuários Online: 12
Copyright (c) 2020 - PORTAL CAPITAL VERDE